Pular para o conteúdo principal

DJ BETO NOFFS FALA SOBRE SUAS CARREIRAS


DJ BETO NOFFS FALA SOBRE SUAS CARREIRAS
Monday, 18 July 2011 23:00

Foto: Beto Noffs / divulgação
Roberto Morroni Noffs ou simplestemente Beto Noffs, como é conhecido o DJ e produtor paulistano, atua na cena eletrônica underground desde o começo da década de 90. Além da música eletrônica, Noffs também administra uma metalúrgica.

Sua primeira apresentação ocorreu em 1994, no clubeFourtress , em Serra Negra (SP) com versões de bandas como Front 242 e Depeche Mode. Com o surgimento das “raves” no Brasil, ele se dedicou ao estilo minimal trance, com seu projeto Kompset, o que lhe rendeu algumas faixas espalhadas pelo mundo, em coletâneas junto a artistas de peso.

Apresentou o primeiro Live PA do clube Klatu (São Paulo), e logo após lançou o álbum Buzzer, pela Kagdila Records, nos Estados Unidos. Entre os seus trabalhos também está a trilha sonora, para o desfile da marca carioca “Daspu”, que ocorreu no clube Gloria.

Além de atuar na cena eletrônica, Noffs tem uma metalúrgica em São Paulo. Em entrevista exclusiva, o artista fala sobre a carreira e como é trabalhar em duas áreas tão distintas.

Entrevista concedida à Vivian Silva – Redação RMC.

Vivian Silva – Beto, me fale um pouco sobre sua atividade na metalúrgica. Como entrou nesta área?
Beto Noffs - 
A metalúrgica tem quase 50 anos e é uma herança de família, eu estou envolvido nesta atividade praticamente desde que nasci (risos). Eu voltei para São Paulo há dois anos, para assumir a administração da empresa, já que meus pais estão no momento de se aposentarem. Fabricamos equipamentos para iluminação de shows (carcaças), um pouco de equipamento para garimpo e itens para irrigação. Nossa empresa fica no bairro do Canindé. Fiquei fora apenas por 9 anos, período que morei em Serra Negra e Monte Sião, quando me dediquei a área da confecção.

Vivian Silva - Como é conciliar profissões tão diferentes?
Beto Noffs -
 Dividir o tempo em duas atividades tão diferentes realmente não é fácil, mas durante o dia em uma, e a noite em outra, eu concilio numa boa.

Vivian Silva - Você pensa em viver apenas da música e do seu estúdio, o Electrusk Estudio? Por quê?
Beto Noffs -
 Creio que eu não deixe de lado uma empresa de quase 50 anos, para viver de música. Ainda que a música eletrônica, por mais crescente que esteja no Brasil, não fará com que eu abandone uma atividade, que vem da geração de meus avós.

Vivian Silva - Para produzir suas músicas você utiliza qual equipamento e software?
Beto Noffs -
 No momento uso o Ableton Live com VST’s, um controlador M-Audio e monitores Alesis MK-2. No live utilizo uma APC 40, uma mesa Mackie 1202, um EFX Kaos Pad da Korg . Tenho um Juno 106, um Alpha Juno II, um Novation Desktop e alguns outros módulos, mas por uma questão de praticidade, hoje uso mais os vsts.

Vivian Silva - Atualmente, quais vertentes da música eletrônica você prioriza em suas produções?
Beto Noffs - 
Depois de começar no EBM e industrial em meados de 93, com a explosão das raves passei alguns anos trabalhando com o minimal trance, que me levou a distribuir faixas em países como Japão, Portugal, Estados Unidos e Brasil. Hoje, minhas produções apesar de um estilo bem particular, fica entre o electro e EBM.

Vivian Silva - Você participa dos projetos de música eletrônica, “Electrosco” e “Dead Cash” . Me fale um pouco sobre eles.
Beto Noffs - 
Electrosco foi um momento de descontração na minha trajetória como produtor. Nos anos em que morei no interior, conheci um amigo chamado Laerte HC, que por uma simples brincadeira formamos este projeto. Eram bases sujas e pesadas, com um apelo de bom humor. Letras em português e performances com máquinas de tricot e furadeira, faziam parte do show.

Nos finais dos tempos interioranos, conheci outro amigo chamado Vinicius Meneghetti, um grande musico na área do Jazz. Na época fui convidado para fazer parte de uma coletânea virtual, então chamei o Vinicius e o colombiano Andrés Cadena (Ind.Fx), que reside em Bogotá, ele além de amigo é produtor e engenheiro de som e quem masteriza minhas músicas. E desta outra brincadeira surgiu oDead Cash. Em praticamente 3 meses finalizamos 13 faixas e estamos com o CD pronto a procura de uma gravadora.

Vivian Silva - Você tem novidades musicais? Quais?
Beto Noffs - 
A pouco tempo resolvi agregar um vocal feminino em meu trabalho. Fiz uma faixa bem estilo EBM e chamei Jessica Gabrielovna para fazer os vocais. Ela por ser russa, conseguiu dar ao meu trabalho um ar bem frio com a letra cantada em russo.

Depois da Jessica fiz parceria com Gabriela Russo Bassani, uma grande compositora que também esta participando do meu Live como vocalista. Mas a grande novidade foi a versão que fizemos paraHeadhunter do Front 242, creio que seja a primeira versão com um vocal feminino deste clássico.

Vivian Silva - Onde o público pode acompanha a sua agenda?
Beto Noffs -
 Em meu facebook e em breve também no site www.noffsmusic.com.br, onde além da agenda, haverá fotos por onde passei e até mesmo uma loja virtual, para adquirirem produtos Noffs Live e Electrosco.

Fonte :  Rio Music Reference

DJ BETO NOFFS LANÇA VIDEOCLIPE DO SEU NOVO PROJETO
Qui, 24 de Maio de 2012 12:58
beto bipolar
Beto Noffs / Foto: Leandro Godoi

Esta semana, o DJ e produtor paulistano Beto Noffs lançou o videoclipe da música “Master Mocker”, que faz parte do seu projeto de electro rock, junto com Débora Martins, denominado “Bipolar Mockers”. A faixa tem a participação também do guitarrista El Diablo.

Noffs atua na cena eletrônica desde o começo da década de 90. Com o projeto Kompset, ele lançou algumas faixas em coletâneas de selos internacionais, junto com artistas de "peso".



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aloha, Rotary!

Aloha, Rotary!
Conheça o verdadeiro espírito do aloha e do Rotary ao lado de familiares, amigos e outros rotarianos na cidade de Honolulu. Será o ambiente ideal para celebrarmos, colaborarmos e estreitarmos nossos laços de amizade, desfrutando do calor e da hospitalidade havaianos. A Convenção é uma das únicas oportunidades de reunirmos pessoas em ação do mundo inteiro para comemorar as conquistas do Rotary. Nossos oradores o motivarão ainda mais a se dedicar aos serviços humanitários e abordarão novas perspectivas relacionadas ao nosso trabalho global. Aproveite para rever velhos amigos, fazer novos contatos e explorar tudo o que o evento tem a oferecer. Você voltará para casa energizado e inspirado a continuar trabalhando pelo bem do próximo. Não perca a chance de compartilhar o seu aloha com toda a família rotária na nossa Convenção em Honolulu, de 6 a 10 de junho de 2020. Inscreva-se agora e economize Faça sua inscrição até 15 de dezembro pelo site riconvention.org para aproveitar o p…

Após ação da Lusa na Justiça, leilão do Canindé termina sem lances

Clube se baseia no pedido de tombamento que está em análise no Conselho de Preservação do Patrimônio

Gonçalo Junior e Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo 09 de maio de 2019 | 15h41

Após a Portuguesa entrar com uma petição na 14ª Vara Cível da Capital de São Paulo para suspender o leilão de parte do terreno do Canindé, marcado para esta quinta-feira, não surgiram interessados. Para acionar a Justiça, o clube se baseou no pedido de tombamento enviado para Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental (Compresp) no dia 12 de abril. No entendimento do clube, o leilão só pode ser concluído após a decisão definitiva sobre o tombamento do complexo Oswaldo Teixeira Duarte, formado pelo estádio do Canindé e o clube social.

Mercado de jogos de tabuleiro ganha espaço no Brasil

© Getty Images Empresas nacionais lançam títulos originais e também de outros países
Resumo:

O setor de jogos de tabuleiros modernos foi responsável por cerca de R$ 665 milhões do faturamento da indústria de brinquedos nacional;Em 2018, mais de 4.000 “boardgames” foram lançados no mundo todo;Conclave, Galápagos, Calamity Games, Papergames, Meeple BR e Bucaneiros são algumas das editoras brasileiras de jogos de tabuleiro;O Diversão Offline, evento dedicado ao hobby, recebeu 18 mil pessoas e movimentou R$ 2 milhões no mercado de jogos analógicos ao longo de seis edições.