Pular para o conteúdo principal

Campanha de vacinação contra a paralisia infantil começa no sábado

Campanha de vacinação contra a paralisia infantil começa no sábado

DE SÃO PAULO

A campanha de vacinação contra a paralisia infantil terá início no próximo sábado (8), dia nacional de mobilização, e se estenderá até 21 de junho em mais de 115 mil postos. A meta do Ministério da Saúde é imunizar 95% do mais de 12 milhões de crianças a partir dos seis meses até os menores de cinco anos de idade (quatro anos, onze meses e 29 dias).
As duas gotinhas, como dose de reforço, serão dadas mesmo que as crianças já tenham sido imunizadas contra a doença. Se as crianças tiverem febre alta, alguma hipersensibilidade a algum componente da vacina --como por exemplo, a estreptomicina ou a eritromicina-- ou alguma doença aguda, os pais devem conversar com os profissionais de saúde antes da vacinação, orienta o Ministério da Saúde.
Este ano, a campanha chega 24° ano sem a doença no país, estando livre do poliovírus desde 1990. O objetivo da campanha é garantir a não reintrodução da doença no território brasileiro, com a manutenção das campanhas de vacinação.
A pasta reforça que, apesar de o país ter erradicado a doença, a vacinação é importante para evitar a reintrodução da poliomielite por viajantes que chegam ao Brasil. Ainda há 16 países com casos registrados da doença.
A vacina poliomielite é trivalente e sua eficácia é em torno de 90% a 95%. Para uma imunidade longa, frente aos três tipos de poliovírus, é necessário completar o ciclo básico de três doses: duas doses da vacina inativada poliomielite (VIP) e uma dose da vacina oral poliomielite (VOP), sendo necessário uma dose de reforço (VOP) após o termino do ciclo básico. Assim, praticamente 100% dos vacinados terão proteção garantida.
O governo distribuirá aproximadamente 19,4 milhões de doses da vacina. Também será investido cerca de R$ 32,3 milhões, sendo R$ 13,7 milhões com a aquisição da vacina e R$ 18,6 milhões que serão repassados do Fundo Nacional de Saúde para as secretarias estadual e municipal de saúde. Desde o ano passado, o Brasil passou a realizar somente uma etapa da Campanha Nacional.
Cartaz da campanha de vacinação contra paralisia infantil, que começa no próximo sábado
MUNDO
De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), entre 2011 e 2012, 16 países registraram casos da doença. O poliovírus foi transmitido por países endêmicos como Afeganistão, Nigéria e Paquistão ou por países que transmitiram por mais um ano o poliovírus como Angola, Chade e República do Congo.
Em 2012 foram registrados 223 casos: 217 (97,3%) em países endêmicos e seis (2,7%) nos não endêmicos. Apesar disso, observou-se uma redução de 36,9% no número de casos de poliomielite no mundo em 2112 quando comparado ao mesmo período de 2011, de 604 para 223 casos. Até o dia 12 de março deste ano, foram registrados dez casos: cinco no Paquistão, quatro na Nigéria e um no Afeganistão.
O Brasil serviu de exemplo para outros países ao adotar, a partir de 1980 e até 2011, a estratégia anual de campanhas nacionais de vacinação contra a poliomielite em duas etapas (junho e agosto) e aplicar a vacina em crianças menores de cinco anos de idade independentemente do estado vacinal anterior, alcançando as metas estabelecidas para cada etapa.
Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil sempre ficou acima da meta (95%), exceto na primeira etapa da campanha nos anos de 2005, 2006 e 2009, que ficou com valor inferior a 95%.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Evolução - Part 2

Será que ainda estamos evoluindo ?

Paperback Stories - Somos a Evolução ?

Somos a Evolução ? Comente no Instagram

Samuel - Menino de Rua

Os caminhos da vida nos levam a destinos que muitas vezes não esperamos. As esquinas são cruéis. As noites e dias tornam-se cada vez mais difíceis de suportar. A explicação é única. Solidão. As ruas que dormimos nelas nos passam dores que ficam alojadas no corpo para toda a vida. Sou um menino de rua. Tornei-me um deles. Num dia desses, num passeio pelo centro de uma capital me perdi dos meus pais. Fique na multidão. Gritei. Chorei. Não adiantou. Fiquei só no mundo. Mesmo assim, não perdi, em momento algum, a vontade de vencer. Samuel se perde dos pais e vira menino de rua... É bem verdade, que mesmo só pelas ruas Direita, São Bento, XV de Novembro, e tantas outras, prédios antigos e modernos, não me fizeram perder meus sonhos. Captei a mensagem de que para vencer, basta lutar. Alguém me disse que aquilo que plantamos, colhemos. Dizem que é uma lei da natureza. Nua e crua. Então resolvi, que seria muito legal para mim, trabalhar. Juntar forças para conseguir alguma coisa melhor