Hoje , segundo uns , amanhã segundo outros, mas na verdade esta data é referente ao mais antigo documento sobre

o nosso querido Bairro Doce de São Paulo. Esta data foi descoberta em antigos documentos , por um saudoso pariense,

o Francolino, do qual já falamos pelas grandes batalhas em que ele se colocou à frente de nós , parienses.

Seja a data ou a quantidade de anos , 434 ou 436 , um abraço caloroso aos (às ) parienses, moradores e que trabalham no bairro ou

aos filhos da diáspora, espalhados por este mundo afora.

Espalhados , mas com aquela saudade imensa do nosso bairro, no qual viveram , amaram e até sofreram, mas sempre

levando um espírito e um caráter forjado pela convivência sadia , harmoniosa , que tiveram aqui neste pedacinho de

chão de menos de três quilômetros quadrados de área, porém imenso no amor, na sua história, na tradição.

História que vem lá atrás dos caboclos , filhos dos guaianás, que por aqui aportaram e para ganhar o seu pão ,trou-

xeram um costume milenar dos seus pais , o pari, que era uma cerca que faziam para melhor pescar nos rios que banham o nosso pedaço de chão.

Nesse momento iniciava-se  uma tradição que jamais foi ou será quebrada em nossa República do Pary, a do empreendedorismo.

Um bairro que cresce a olhos vistos e que temos certeza essas mudanças , deverão, quer queiram ou não, um bairro cada vez melhor e mais valioso.

Um Viva ao Pari e principalmente aos parienses, neste dia 9 de novembro !