Prosseguimos com mais uma história do Pari.

Nada mais autêntica do que contada por um pariense nato e convicto, o saudoso

Ítalo Ferroni Rocho, desta vez mais um trecho da introdução de um de seus livros "O dia em que a noite dormiu", ofertado pela sua irmã a Maria Aparecida.

Jayme Antonio Ramos