Eu faço pra mim - se alguém quiser aproveitar...

Existe cada coisa, né?

Outro dia, conversando com um colega a quem eu tinha passado o meu blog, ele me disse:
"Oh! Claudio, eu vi o seu blog, achei muitas coisas interessantes, tanto as que você escreveu como outros artigos, gostei mesmo!"
Eu agradeci e ainda brinquei dizendo como ele teve coragem de perder tanto tempo. Rimos e ai ele me disse:
"Posso falar uma coisa, você não acha ruim?"
Como iria achar ruim, um cara legal que disse que leu o que escrevi - disse a ele que falasse, claro!
"É que, apesar das coisas boas e até lindas que você tem no seu blog, não tem muitos comentários de pessoas que leem suas ideias, suas palavras!"
E ai expliquei:
"Meu querido, primeiro obrigado por ter gostado do meu blog. Sabe que o que escrevo eu escrevo pra mim? Eu não escrevo para os outros. Escrevo o que quero escrever, do jeito que quiser, o assunto que eu definir e à minha maneira. Não escrevo para os outros, mas se alguém quiser ler, ótimo, fico feliz, mas nem preciso saber se alguém leu, se gostou ou não. Você leu, mas não comentou por que está falando diretamente comigo. Ponto final, entende?"
Ele ficou "meio assim", mas compreendeu e até me achou sincero demais.
Finalizando, eu escrevo o que gosto e não o que os outros gostam - eu escrevo à minha maneira e não à maneira dos outros, aliás nem conheço "os outros".
A vida é assim mesmo e mesmo assim, continuará sendo vida. Existem tantos que não gostam da vida que vivem, mas tem que ser assim e será, gostem ou não, não é verdade?
CC&E - c.cursini@terra.com.br - Pense que você é o maior burro do Brasil e comece a ler ou então, pense que você é o mais inteligente e comece também a ler - não pare, NUNCA! - 24.02.11