juvenia

Novamente estou apresentando uma colaboração do meu amigo Ricardo Eduarte,

com uma transcrição do seu site http://www.seculovinte.com.br .

Nunca é demais lembrar, que o seu site tem todo um trabalho de criação, idéia, pes-

quisa e textos dele próprio.

Hoje , vemos uma propaganda de 1950, do Petróleo Juvênia, ou seja um tônico ca –

pilar de grande aceitação na época.

Inúmeras vezes, eu ainda pequenino, sentado na cadeira de barbeiro do salão do sr.

Ângelo, ficava olhando para aqueles vidros de loções, tônicos, etc.. Eu achava a-

quelas embalagens muito bonitas, muitas delas tinham uma etiqueta com nomes de

clientes, ou seja exclusiva para eles.

E o sr. Ângelo, já descrito numa das minhas histórias, sempre com aquela palavra

de calma, seguro de seus atos. Eram seis ou sete cadeiras, quase sempre ocupadas,

qualquer horário do dia que fosse. A seu lado, o seu fiel escudeiro Paulo, sempre

disposto a ouvir as últimas que todos lhe traziam. Ali tambem era uma espécie de

escolinha. Inúmeros barbeiros que por ali passavam, vinham do Nordeste, apren-

diam o ofício e vários deles abriram salões em outros bairros. Hoje no Pari, temos

dois discípulos do seu Ângelo, com salões, o Narciso e o Mineiro.

Então,  quando vi esse reclame do Juvênia, no site do Ricardo, fui lá no fundo da me-

mória buscar imagens, fatos e histórias que ouvia no salão do seu Ângelo, enquanto

esperava a vez ou já sentado na cadeira de barbeiro.

Lindas lembranças que o tempo não pode apagar.