Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2018

Hoje é o Dia do Circo

Visite o Pari

Tombamento do Complexo Canindé na Rádio Bandeirantes

Ouça ao vivo pela Internet

Padre Júlio Lancelotti é ameaçado de morte; entidades de direitos humanos entram com representação no MP

Coordenador da Pastoral do Povo de Rua reclama que vem sendo vítima de ataques principalmente de moradores e comerciantes da Mooca. Por Tatiana Santiago, G1 SP, São Paulo 21/03/2018 14h11    Atualizado há 13 horas Padre Júlio Lancelotti durante celebração de missa (Foto: Reprodução Facebook) Advogados e entidades de direitos humanos entraram com representação no Ministério Público (MP) de São Paulo nesta terça-feira (20) pedindo abertura de investigação sobre ameaças de morte contra o padre Júlio Lancelloti. Coordenador da Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo e defensor de direitos humanos, o padre reclama que tem sido vítima de ameaças de morte postadas em redes sociais, principalmente de moradores e comerciantes da região da Mooca, na Zona Leste da capital, onde tem uma forte atuação. Em posts publicados no Facebook, os agressores demonstram intolerância às ações de Lancelotti, que é defensor dos moradores de rua. Fon

Vereador de SP é agredido com pedaço de madeira: 'Me senti um banana'

Vereador da capital paulista Adilson Amadeu (PTB), de 67 anos, foi assaltado e agredido em Santos, no litoral paulista. Segundo ele, há problemas na segurança da cidade. Por Mariana Nadaleto, G1 Santos 21/03/2018 13h12    Atualizado 21/03/2018 15h57 Amadeu pede mais policiamento em Santos (Foto: Arquivo Pessoal) "Quando passei pelo grupo, escutei eles gritarem e virem na minha direção. Um deles me bateu e disse 'perdeu, tiozão'. Quando eu estava no chão, tiraram meu cordão e ainda me ameaçaram com um estilete. Foram muito agressivos. Com o tombo, ainda machuquei meu braço. Comecei a gritar por socorro, mas eles levaram a minha bicicleta e seguiram em direção à São Vicente". Porém, a maior revolta do vereador é com a falta de policiamento na cidade. Amadeu garante que caminhou do Emissário até a Praça da Independência, no Gonzaga, em busca de uma viatura da Polícia Militar ou da Guarda Municipal, mas não encontrou nenhuma