Pular para o conteúdo principal

Fwd: [New post] Pari e suas histórias – Parte C



---------- Mensagem encaminhada ----------
De: "Histórias do Pari" <donotreply@wordpress.com>
Data: 18 de dezembro de 2011 21:11
Assunto: [New post] Pari e suas histórias – Parte C
Para: falecom@bairrodopari.com


New post on Histórias do Pari

Pari e suas histórias – Parte C

by historiasdopari

600 mil africanos, asiáticos e latinos ainda lutam para se integrar a SP

02 de outubro de 2011 | 3h 02
FLÁVIA TAVARES, RODRIGO BRANCATELLI, WILLIAM CARDOSO - O Estado de S.Paulo

Yamamoto, Matarazzo, Murad, Jafet, Fernandes, Simões. São sobrenomes tão arraigados na cultura de São Paulo que se tornaram imprescindíveis na história da cidade, responsáveis por fazer surgir bairros inteiros ao barulho dos teares, das bigornas, das máquinas, das sanfonas noturnas. Apesar de todas as dificuldades - da diferença da língua ao preconceito dos outros moradores -, eles não só tiveram influência no desenvolvimento da região como também ajudaram a moldar a alma do paulistano, a figura que se revela hoje no sotaque, nos traços, nos costumes ou até na pizza de domingo.

 

 

Atualmente, quase 129 anos depois do italiano Gaetano Pezzi ter sido o primeiro imigrante cujo desembarque foi registrado em São Paulo, em 17 de janeiro de 1882, são outros sobrenomes que tentam se integrar à metrópole, repetindo a epopeia de italianos, espanhóis, libaneses, japoneses e portugueses que se instalaram por aqui. São os Hong, Kim, Yan, Villar, Ogunme; quase 600 mil imigrantes asiáticos, africanos e latinos que desembarcaram na capital nos últimos 20 anos e ainda lutam para fazer parte de São Paulo.

 

"A situação hoje repete exatamente o mesmo fenômeno do século 19, quando os imigrantes chegaram pela primeira vez por aqui", diz a professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP Maria Ruth Amaral de Sampaio, que estuda o tema. "Do mesmo jeito que os italianos eram chamados de carcamanos, de ladrões, hoje também há um preconceito com os novos imigrantes, uma falta de integração que ainda não foi superada. Até os coreanos, que estão aqui na terceira geração, casam apenas entre si, o que demonstra ainda essa falta de integração."

 

Perfil. São Paulo ainda está aprendendo a lidar com uma presença maior desses grupos na cidade. Nas últimas semanas, o Estado conversou com representantes dos três grupos para entender como esses novos imigrantes estão aos poucos mudando a face da metrópole. São chineses que não falam português, mas mesmo assim estão comprando diversas lojas de ferramentas na Rua Florêncio de Abreu, no centro, e apartamentos a partir de R$ 600 mil em bairros como Anália Franco e Tatuapé, na zona leste. Bolivianos já são proprietários de confecções no Brás e Pari. Nigerianos e angolanos, apesar do preconceito com a colônia, ostentam orgulhosamente títulos de médicos, dentistas e farmacêuticos.

 

Há ainda os pais coreanos que abrem mão de suas economias para colocar os filhos na Escola Polilogos, na Rua Sólon, no Bom Retiro, cujo maior objetivo é aprovar alunos na USP. Ou mesmo jovens coreanos que, com o dinheiro ganho nas lojas de roupas, estão seguindo o exemplo dos imigrantes judeus e se mudando para Higienópolis.

 Esta postagem de número 100 desta nossa seção falarei de uma realidade de nosso bairro, a imigração e suas consequências é uma notíca é um artigo mas não deixa de ser uma história.
Pensemos com carinho neste problema , pois cremos que quase todos nós , parienses , somos descendentes de imigrantes, se não o formos.
Esta matéria que nos foi enviada pelo colaborador Carlos Eduardo Entini, outro pariense convicto , militante e que confia muito e trabalha para tal num Pari cada vez melhor e mais ,diz que depende e muito do pariense ocupar o seu bairro novamente, sair às ruas , bater papo, só a multidão ocupando as ruas é que afugenta a violência , o mal feito. Vejam nestas noites que precedem o Natal, vejam a Virada Cultural e porque não a Parada Gay, as grandes mobilizações religiosas, os grandes shows sindicais , o índice de violência é baixo, quase nulo. Porque o povo é que está nas ruas , na ofensiva e não trancado com medo em suas residências /fortes/bunkers, como diz o Eduardo.
Pensemos  bem , claro , a violência existe, mas pensemos em modos alternativos de combate-la, haja vista , que os métodos usados  atualmente não tem surtido o efeito necessário.
historiasdopari | Dezembro 18, 2011 at 8:11 pm | Categorias: Uncategorized | URL: http://wp.me/pIYGg-1kc

Comentário    See all comments


Trouble clicking? Copy and paste this URL into your browser:
http://historiasdopari.wordpress.com/2011/12/18/pari-e-suas-historias-parte-c/

Obrigado por voar com WordPress.com




--
Bairro do Pari
http://www.bairrodopari.com
Tel.: 7335-9500

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[New post] Escola de Samba Colorado do Brás

New post on Conseg dos Bairros do Pari/Brás/Ponte Pequena/Canindé Escola de Samba Colorado do Brás by consegpari encontro de Presidentes : Leandro e Tania 19/11/2011 em uma noite super animada a nossa Escola de Samba comemorou 36 anos de história. E foi homenageada por várias outras Escolas de Samba entre elas: a vice-campeã do Rio de Janei

[New post] Reunião do Conseg

New post on Conseg dos Bairros do Pari/Brás/Ponte Pequena/Canindé Reunião do Conseg by consegpari Amanhã dia 24/11/2011 acontecerá nossa reunião mensal. Local- Faculdade Cantareira End- Rua Marcos Arruda,729 Horário- às 20:00 horas Venha para a nossa reunião pois se não mudarmos o que fazemos hoje,todos os amanhãs serão iguais a ontém. E só

ENTREVISTA COM JORNALISTA MILTON GEORGE THAME - 27/02/09

Assista à entrevista com o saudoso jornalista Milton George Thame, concedida ao Padre Enivaldo Santos do Vale na TV Bem Brasil, programa "Para o Mundo Ficar Belo", em 27 de fevereiro de 2009. Fonte : WebTV E5