Em toda região Brás/Pari, a partir das 16h o comércio sofre com cortes de água, sobretudo bares, restaurantes e padarias que precisam fazer uso da água em grande quantidade.

O Bar do Preguinho da rua Rio Bonito, esquina com a Santa Clara está desde o começo de fevereiro sem água. "É preocupante, dificulta o nosso trabalho. Como iremos servir os clientes?", disse Maria da Soledade Mendes Pinheiro, esposa dele.

Ela acha que o governo não se preparou para a crise hídrica e não fez investimentos. Caso aconteça o rodízio com cinco dias sem água e dois com água, Maria e Preguinho pensam até no fechamento do bar. A água costuma voltar somente por volta das 4h30 da madrugada, acrescentou ela.

José de Lurdes Mendes Ferreira, o Preguinho, vê a utilização dos copos descartáveis uma alternativa para o problema, já que não podem fazer atividades como lavar a louça e fazer café. Ele relata que o corte de água começou às 19h30, depois foi para as 17h e agora, começa às 16h. "Os clientes estão perdidos como eu. Se Deus não mandar água, estamos ferrados" – disse ele.