Pessoas vão embora de todas as formas: vão embora da nossa vida, do nosso coração, do nosso abraço, da nossa amizade, da nossa admiração, do nosso país. E, muitas a quem dedicamos um profundo amor, morrem. E continuam imortais dentro da gente.<br /> A vida segue: doendo, rasgando, enchendo de saudade. Depois nos dá aceitação, ameniza a falta trazendo apenas a lembrança que não machuca mais: uma frase engraçada, uma filosofia de vida, um jeito tão característico, aquela peculiaridade da pessoa.<br /> Mas pessoas vão embora. As coisas acabam. Relações se esvaem, paixonites escorrem pelo ralo, a deuses começam a fazer sentido.<br /> E se a gente sente com estas idas e também vindas, é porque estamos vivos.<br /> Cuidemos deste agora. Muitos já se foram para nos ensinar que a vida é só um bocado de momento que pode durar cem anos ou cinco minutos.</p> <p style=Marla de Queiroz.

Myriam Gytana." src="https://scontent-a-mia.xx.fbcdn.net/hphotos-prn2/t1.0-9/p75x225/1981844_856392151045037_1063206635_n.jpg" width="400" height="225" />

Pessoas vão embora de todas as formas: vão embora da nossa vida, do nosso coração, do nosso abraço, da nossa amizade, da nossa admiração, do nosso país. E, muitas a quem dedicamos um profundo amor, morrem. E continuam imortais dentro da gente.
A vida segue: doendo, rasgando, enchendo de saudade. Depois nos dá aceitação, ameniza a falta trazendo apenas a lembrança que não machuca mais: uma frase engraçada, uma filosofia de vida, um jeito tão característico, aquela peculiaridade da pessoa.
Mas pessoas vão embora. As coisas acabam. Relações se esvaem, paixonites escorrem pelo ralo, a deuses começam a fazer sentido.
E se a gente sente com estas idas e também vindas, é porque estamos vivos.
Cuidemos deste agora. Muitos já se foram para nos ensinar que a vida é só um bocado de momento que pode durar cem anos ou cinco minutos.

Marla de Queiroz.

Myriam Gytana.