Além de mudanças em oito departamentos da Polícia Civil, a Polícia Militar do Estado de São Paulo também teve alteração em dois postos de comando. As nomeações foram publicadas nesta quarta-feira (9), no Diário Oficial do Estado (DOE).

O coronel Leonardo Torres Ribeiro assumiu o Comando de Policiamento da Capital (CPC), responsável pelos oito Comandos de Área da cidade de São Paulo e seus batalhões. Até então, o coronel Marcos Roberto Chaves da Silva estava à frente da unidade.   

O coronel Carlos de Carvalho Junior tornou-se o chefe do Comando de Policiamento do Interior – 2 (CPI - 2), responsável pelos sete batalhões da região de Campinas. Antes, a unidade era comandada pelo coronel José Roberto Malaspina.

Leonardo Torres Ribeiro no CPC

O coronel Leonardo Torres Ribeiro ingressou na Polícia Militar em janeiro de 1979. Durante esses 34 anos na corporação, passou por batalhões, comandos e unidades especializadas.  

Depois de formado, em 1983, começou a carreira no 3º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM/I). Em 1987, atuou na Academia de Polícia Militar do Barro Branco (APMBB) e no ano seguinte no 3º Batalhão do Policiamento de Choque (BPChq).  

A trajetória do coronel conta ainda com passagens pela Escola Superior de Soldados (ESSd), Centro de Altos Estudos de Segurança "Cel. PM Nelson Freire Terra" (Caes) e pelo Comando de Policiamento Ambiental (CPAbm), entre outras.

Num período mais recente, em 2009, participou do Comando de Policiamento de Área Metropolitano – 10 (CPA/M – 10). Desde setembro de 2011 faz parte do CPC, unidade que agora assume como comandante.

Carlos de Carvalho Junior no CPI – 2

Assim como o seu colega que assumiu o CPC, o coronel Carlos de Carvalho Junior ingressou na Polícia Militar em janeiro de 1979. Nesses 34 anos de polícia, também passou por batalhões, comandos e algumas unidades subordinadas ao Comando de Policiamento de Choque (CPChq).

Começou a carreira como aspirante a oficial no 14º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM/I). Possui larga passagem por diversas unidades de Choque, como o Canil, onde ficou por cinco anos, as Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), onde atuou por quatro anos, a 2ª Companhia do 3º Batalhão de Choque e o COE (Comando de Operações Especiais).

A trajetória do coronel inclui ainda a função de capitão na Divisão de Investigação da Corregedoria da PM por seis anos e meio, o comando do Corpo de Cadetes da Academia de Polícia Militar do Barro Branco (APMBB), durante três anos, e a frente do 37º BPM/M e do Comando de Policiamento de Área Metropolitano – 9 (CPA/M – 9).

Desde março de 2011, o coronel atuava como chefe da Assessoria Policial Militar da Prefeitura de São Paulo. Agora, assume o comando do CPI – 2.