Mais uma história que estamos  revendo do nosso blog.

Pela porta da Balneária, sábados lá pelas 19 hs. passava um "corôa"com um carrão, se não me engano um Landau, oh, com ar condicionado, oh e vinha buscar um rapaz para dar umas "voltinhas". O rapaz era do bairro. Era briguento, todos conheciam e temiam a sua fama de valentão. O "corôa", ninguém conhecia , não era do bairro, seria um empresário, um gringo, um político, ninguém sabia. Havia um outro rapaz que não trabalhava ,não estudava, só ficava no largo, vamos chamá-lo de anti-herói.
O nosso anti-herói só de olho. Um belo dia esperou o rapaz voltar, o briguento e lhe interpelou o que acontecia todos os sábados, ele ficava umas duas horas com aquele corôa e voltava com muito grana, pagando churrasco e baurus do Gordo para os amigos,cerveja,etc. .O briguento falou que o velho era homossexual e lhe dava uma boa grana pelos serviços prestados. Ah! entendi !
O nosso anti -herói na moita , como sempre , com toda a paciência, esperou pelo bote.
Um belo dia, ou melhor uma bela noite e sempre há uma bela noite,aconteceu a chance. O briguento sabe-se lá porque, não apareceu. Aí veio o bote, o anti-herói deu um sinal o coroa abriu a porta do seu carrão. O anti-herói se apresentou como mensageiro do briguento e que havia morrido uma tia que ele muito considerava e tal e coisa e loisa, mentira,né!
Da apresentação começaram as conversas preliminares, tá calor, aqui está bom com esse arzinho , etc e tal e a conversa foi tomando o rumo a que a ambos interessava. Passados 5 minutos, nem menos , nem mais , 5 minutos da entrada do nosso anti-herói no Landau, veio a sentença fatal , sentença que todo o Pari estremeceu quando soube, ou seja ,espalhada:"O homossexual não sou eu é o seu amigo valentão". Todo mundo quando soube da notícia se espantou  e balançou a cabeça, dizendo"quem diria, quem diria".