Publicidade

Ultimas noticias

sábado, 28 de julho de 2018

Endividada, Portuguesa destrói piscinas para construir “camelódromo”




Clube Portuguesa em Crise


Endividada, Portuguesa destrói piscinas para construir “camelódromo”

Devendo 350 milhões de reais e com seis presidentes em cinco anos, a Associação Portuguesa de Desportos enfrenta seu pior momento

Um dos mais tradicionais clubes da capital, a Associação Portuguesa de Desportos vive um pesadelo digno das tragédias contadas em fados lusitanos. A organização, cujo time de futebol lançou jogadores como Djalma Santos e chegou a ser vice-campeão nacional em 1996, amarga uma dívida recorde de 350 milhões de reais. O calvário começou em 2013, com o rebaixamento do time à série B do Campeonato Brasileiro. Desde então, a equipe sediada no Estádio do Canindé, na região central, foi caindo, caindo…
Um dos principais golpes no campo veio no ano passado, quando ela ficou fora da quarta e última divisão do torneio. Para piorar, neste primeiro semestre, novamente não conseguiu subir para a série A1 do Paulistão, da qual saiu em 2015. Quanto mais escorrega nos campos, menos receita a instituição angaria com direitos de televisão e patrocínios, e mais endividada fica. No ano passado, quase metade de seu terreno de 102 000 metros quadrados (a outra metade pertence à prefeitura) foi levada a leilão por duas vezes, mas não houve interessados. A atual diretoria investe em uma empreitada desconexa da bola para tentar amenizar a situação de penúria.
A inauguração do estádio, nos anos 70: história de glórias
A inauguração do estádio, nos anos 70: história de glórias (Museu Histórico da associação Portuguesa de Desportos/Veja SP)
A aposta da vez consiste na construção de uma espécie de “camelódromo”, chamado de Feirinha da Madrugada da Portuguesa. Para isso, destinaram-se duas áreas de 28 000 metros quadrados no total, o equivalente a três campos de futebol. Serão 5 000 estandes voltados sobretudo a ambulantes que atualmente trabalham de maneira irregular nas ruas do Brás, bairro vizinho dali, e comercializam em sua maioria produtos piratas.
Os organizadores, entretanto, atestam que não haverá itens falsificados nesse novo local e todo o comércio estará de acordo com a lei. A iniciativa poderá render a princípio 20 milhões de reais ao clube. O anúncio do projeto, ou a falta dele, pegou sócios e conselheiros de surpresa. Eles não esperavam pela chegada, em maio, de máquinas e escavadeiras que demoliram o complexo aquático do clube, fechado havia um ano por falta de manutenção. “Tudo foi feito sem nos consultar”, reclama António Sérgio Pinto Ribeiro, ex-presidente do conselho deliberativo da Lusa.
O atacante Dener, após marcar contra o São Paulo, em 1992, no Canindé
O atacante Dener, após marcar contra o São Paulo, em 1992, no Canindé (Djalma Vassao/Estadão Conteúdo)
Tão logo soube da obra, em junho, a Prefeitura Regional da Mooca a embargou por falta de alvará. Mas já era tarde. As quatro piscinas e a arquibancada de 130 metros de comprimento, inauguradas em 1965, acabaram praticamente aterradas. Como continuou a demolição, entre outras infrações, o clube foi multado mais três vezes. Os valores de todas as sanções chegam a 463 000 reais. Depois disso, os trabalhos foram suspensos, mas a ideia persistiu.
Em seguida, a gestão iniciou o asfaltamento de uma área próxima, de 12 000 metros quadrados, até então reservada a eventos como a famosa festa junina — extinta no ano passado. “Recorremos das multas e vamos dar continuidade ao projeto”, garante o presidente da entidade, Alexandre Barros, 43, radialista. Ele herdou do pai o amor pela equipe e pela profissão. A ideia é arrecadar 150 000 reais por mês com a locação dos dois espaços, quando o centro de compras estiver funcionando integralmente.
José Silvio, Felipe, Lorenzo e Manuel Gaspar (em sentido horário): quatro gerações de fãs
José Silvio, Felipe, Lorenzo e Manuel Gaspar (em sentido horário): quatro gerações de fãs (Aleandre Battibugli/Veja SP)
A feirinha da Portuguesa será bancada pelo ex-pastor evangélico Diego Araújo Agiani, 36, com histórico complicado. Ele responde no Ministério Público de Barueri, na região metropolitana, a dois processos por estelionato. Além disso, o empresário foi acionado judicialmente, no início deste mês, por não pagar pensão alimentícia a um filho fora do casamento. “O menino é o amor da minha vida, e os casos criminais foram arquivados”, defende-se Agiani, que cobrará 10 000 reais de cada vendedor a garantia de um ponto. “Temos mais de 5 000 interessados”, calcula ele, que dividirá com o clube esses lucros.
A fase inicial, com 2 700 barracas, deve ficar pronta até o fim de agosto. A segunda etapa depende do alvará, que, se tudo correr como esperado, demorará até seis meses para sair.
O dia a dia da Portuguesa equivale ao de um trabalhador que ganha pouco, está com o nome sujo, não tem crédito na praça e acabou impossibilitado de fazer movimentações bancárias por causa de penhoras judiciais. Todas as receitas obtidas com o aluguel de recintos, como o ginásio de esportes, locado à Igreja Renascer por 60 000 reais mensais, e a churrascaria virada para a Marginal Tietê, por 20 000 reais por mês, vão direto para os credores. No Campeonato Paulista da série A-2 deste ano, os 600 000 reais pagos pela Federação Paulista de Futebol também não desembarcaram no cofre da agremiação.
Barros: o sexto presidente em cinco anos
Barros: o sexto presidente em cinco anos (Alexandre Battibugli/Veja SP)
A Lusa se defende de mais de sessenta processos trabalhistas. Uma das soluções para ter caixa disponível é abrir oportunidades para eventos, do naipe de raves e shows (no ano passado, houve apresentação de Wesley Safadão), e cobrar dos interessados à vista, em dinheiro. Em 2017, rolaram vinte atrações do tipo, com uma receita de cerca de 500 000 reais, pagos com antecedência.
“Quando o oficial de Justiça vinha penhorar a renda, informávamos que o valor já havia sido usado para quitar salários”, diz o presidente, que calcula despesas de 1 milhão de reais por mês com a organização. Em relação a sócios, nos tempos áureos, o clube chegou a exibir 120 000 afiliados. Hoje, são 6 700. Apenas 700 deles precisam pagar a mensalidade de 50 reais, o restante está isento da taxa.
Na sexta (20), enquanto falava a VEJA SÃO PAULO, Barros, que assumiu o comando da entidade em janeiro de 2017 (foi o sexto presidente em cinco anos), conversava com dirigentes sobre como criariam uma “vaquinha” para pagar um boleto de 1 650 reais. O documento precisava ser quitado até a segunda-feira seguinte. Assim, o Corpo de Bombeiros realizaria uma vistoria a fim de liberar o estádio a tempo da estreia da Copa Paulista, uma competição com equipes pequenas que destina ao campeão uma vaga na série D do Brasileirão ou na Copa do Brasil. Em 5 de agosto, o time estreia em casa contra o Nacional, da Barra Funda.
Lucas dos Santos: atleta encontrado morto na piscina do complexo
Lucas dos Santos: atleta encontrado morto na piscina do complexo (Antonio Cícero/Agência Gazeta Press/Veja SP)
Uma das dívidas do grupo tem a ver com a trágica morte de um jogador da base em uma piscina do complexo, em 2016. No local onde Lucas Jesus dos Santos, 16, foi encontrado morto, não havia salva-vidas. “Nunca nos ligaram, fiquei sabendo do que aconteceu pela televisão”, desabafa Magda Santos, tia do jovem. O caso rendeu ao clube, em julho do ano passado, uma condenação de 450 000 reais, em valores atualizados. A depender da situação, a quantia vai demorar para ser liquidada. “Infelizmente não conseguimos honrar esse compromisso agora”, diz Barros.
Os últimos tempos, de pouco futebol e muita discussão nos bastidores, serviram para unir torcedores, que, vendo a degradação e o abandono das instalações do Canindé, promoveram por conta própria ações de manutenção. Por meio do grupo de WhatsApp chamado S.O.S. Estádio do Canindé, organizaram a reforma do centro de treinamento e um rateio de 16 000 reais para a pintura das arquibancadas. Parte da tinta foi custeada por um plano de saúde, que exibirá totens no campo por um ano.
O comandante da iniciativa é o aposentado Artur Cabreira, 61, amante do time desde pequeno. “Quero que acreditem que a Portuguesa ainda tem jeito”, almeja. O próximo plano é pôr fim às goteiras nas marquises do estádio. “Chove mais dentro que fora”, brinca Artur. A obra deve custar 100 000 reais, e a previsão é que o valor seja arrecadado em rifas e doações.
Mesmo em tempos difíceis, alguns fãs não deixam a paixão de lado. O empresário Felipe Gaspar, 29, integra uma família com quatro gerações de torcedores da Lusa. Quem começou o legado foi seu avô Manuel, 92, que chegou ao Brasil há cerca de sessenta anos e se encantou pelo rubro-verde. “Todo fim de semana os parentes se reuniam para comer bolinho de bacalhau e assistir aos jogos”, lembra Felipe.
Antônio e seus famosos bolinhos de bacalhau: lanchonete fechada
Antônio e seus famosos bolinhos de bacalhau: lanchonete fechada (Alexandre Battibugli/Veja SP)
O ponto mais tradicional do pedaço para saborear o salgado, no entanto, deixou de existir. Antigo dono da lanchonete Tri-Fita Azul, que funcionou por quatro décadas, o aposentado Antônio de Jesus da Conceição, 73, deu seu último expediente em maio. “Vendia 3 000 bolinhos em dias de partida”, recorda o senhor português. “Nos últimos tempos, não passavam de 200.”
Entre os torcedores ilustres, destacam-se o cantor Roberto Leal e o maestro João Carlos Martins. A dupla se apresentou em diversas festas da Lusa sem cobrar cachê. Na campanha de 2013, que terminou com o rebaixamento da equipe à série B, Martins deu palestras motivacionais para incentivar os esportistas. “Quando conversamos pela primeira vez, eles ganharam de 4 a 0 do ‘Coringão’”, lembra o músico. Os artistas também participaram de uma manifestação na Avenida Paulista, provocada pela punição da turma com perda de pontos no Campeonato Brasileiro de 2013. A polêmica se devia à escalação do meia Héverton, mesmo suspenso, na última partida do torneio.
O protesto, batizado de “Diga não ao tapetão”, não foi suficiente para fazer a equipe escapar de ser penalizada — e rebaixada. A situação foi a gota d’água para que o escritor e cientista político Jorge Caldeira largasse mão do entusiasmo. “O amor de cinquenta anos acabou. É uma viuvez”, lamenta. “A Portuguesa à qual estava acostumado, que brigava com os grandes, não existe mais.”
Roberto Leal e João Carlos Martins em manifestação de 2013: torcedores ilustres
Roberto Leal e João Carlos Martins em manifestação de 2013: torcedores ilustres (Lincoln Pereira de Oliveira/Agencia Gazeta Press/Veja SP)
Outra personalidade que também vestiu a camisa da esquadra foi o apresentador Zeca Camargo, que conserva um carinho nostálgico. “Apesar de não acompanhar os jogos, sempre que perguntam meu time respondo: a Portuguesa. É uma paixão antiga”, explica.
Fundada em 14 de agosto de 1920, a Lusa surgiu da fusão de cinco clubes de origem portuguesa. Sua primeira sede foi instalada no Cambuci. Na década de 40, mudou-se para o Largo São Bento, no centro. Nos anos 50, reuniu um grupo de jogadores que se consagraram na seleção brasileira, como o lateral direito Djalma Santos e o ponta-direita Julinho Botelho.
Na mesma década, adquiriu o terreno às margens do Rio Tietê, então pertencente ao São Paulo Futebol Clube. A inauguração do estádio ocorreu em 1972. A essência da associação por muito tempo consistiu em formar grandes atletas, a exemplo de Félix, Dener, Enéas e Leivinha. Até o atual técnico da seleção, Tite, jogou uma temporada pela Lusa nos anos 80, quando veio do Clube Esportivo Bento Gonçalves.
O último grande time do Canindé, que jogou em 2011 na campanha invicta da Série B, ganhou o apelido de “Barcelusa”, em alusão ao Barcelona, da Espanha. “Depois disso, foi só desgraça”, afirma o empresário Vital Vieira Curto, que mantém um “museu” do rubro-verde no Canindé. O lamento da torcida tem entre suas principais vozes o filho do homem que começou a construção da Portuguesa. “Foram quarenta anos de dedicação do meu pai a esse clube, que está sendo destruído por alguém que quer montar uma feirinha. É muito triste”, alfineta Marco Antônio Teixeira Duarte, cujo pai, Oswaldo Teixeira Duarte, que foi o principal dirigente da história da Portuguesa, dá nome ao estádio.
Grandes nomes da lusa
Djalma Santos. Lateral direito e campeão do mundo em 1958
 (Cistiano Mascaro/Veja SP)
Edu Marangon. Atacante, foi em 1988 para o Torino, da Itália
 (Reprodução Facebook/Veja SP)
Zagallo. Treinou a equipe rubro-verde em 1999
 (Eduardo Monteiro/Veja SP)
Tite. Técnico da seleção, fez seis gols em 22 jogos em 1984
 (Antonio Lucio/Veja SP)
Basílio. Jogou onze anos na Lusa, até ir para o Timão, em 1975
 (Lemyr Martins/Veja SP)
Leandro Amaral. Atacante nos anos 90, é campeão de gols no Canindé: 62

Nenhum comentário: