Pular para o conteúdo principal

Entenda a proposta da Reforma da Previdência (e por que isso importa?!)

A proposta de Reforma da Previdência foi apresentada para votação no Congresso. Entenda o que está em jogo e se prepare!
Por Camila Ferreira 
O presidente da República, Jair Bolsonaro, entregou hoje a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que muda as regras da Previdência Social.
“Mas por que estão mudando?”
A gente te explica. Hoje, no Brasil, o sistema previdenciário funciona assim: quem trabalha ativamente no mercado formal, com carteira assinada, é quem paga os benefícios da Previdência.
Mas, como você já deve imaginar ou deve ter ouvido falar, esse sistema pode entrar em colapso. Por quê? Porque a quantidade de brasileiros em idade ativa, ou seja, com idade para trabalhar no mercado formal, está caindo. E a quantidade de pessoas com idade de se aposentar está subindo.
Sim, estamos passando pelo fenômeno do envelhecimento da população.  Para se ter uma ideia, hoje, a quantidade de trabalhadores que contribuem para a Previdência Social não é suficiente para pagar todos os benefícios da Previdência.
É daí que vem o tal déficit da Previdência. Nos últimos anos, os cofres públicos (leia-se: nosso dinheiro) arcam com a diferença entre o que a Previdência precisa pagar e o que ela arrecada com os trabalhadores ativos. No ano passado, esse déficit passou dos R$ 292 bilhões, considerando os benefícios de trabalhadores do setor privado, público e militares.
Neste ano, a projeção é de que esse déficit fique em R$ 308 bilhões.
Como o número de pessoas mais velhas vai ficar cada vez maior e o número de pessoas com idade ativa vai ficar menor, a tendência é que a Previdência tenha rombos cada vez maiores.
Até aí, sem novidades, certo?

Mas tem o pulo do gato

Não é só por não ser sustentável que economistas defendem uma reforma. Também tem o ponto da dívida interna – aquela dívida que o País tem como ele mesmo…basicamente isso.
O rombo da Previdência contribui para o aumento da dívida interna. Só para você ter uma noção: a dívida interna no final do ano passado representou mais de 76% do PIB (Produto Interno Bruto), que basicamente é a soma de todas as riquezas produzidas pelo País. É como se as suas dívidas comprometessem 76% da sua renda!
Pensa: você consegue fazer alguma coisa endividado? É mais difícil, né? Quando você está endividado, é mais complicado algum amigo ou banco te emprestar dinheiro para você investir no seu negócio ou para pagar sua faculdade, ou até mesmo para você comprar a geladeira que quebrou.
A mesma coisa acontece com o País.  Quando o País está muito endividado, ele tem dificuldades de fazer  investimentos, que gerem mais empregos, e até de receber investimentos, principalmente estrangeiro. E esta é uma das grandes preocupações do Governo. Com o tamanho do endividamento, o País perde a capacidade de atrair investimentos.
Assim como você, quando endividado, tem dificuldade de negociar taxas de juros melhores; o Brasil, endividado, também vai pagar alto por qualquer coisa.
Ufa! Entendeu por que a Reforma da Previdência é sempre falada?
Agora, vamos às mudanças!

Quais são os principais pontos da proposta?

A proposta apresentada ao Congresso prevê, para trabalhadores do setor privado e público, contribuição mínima de 20 anos (antes eram 15 anos) e idade mínima de 65 anos para homens, como já é hoje, e de 62 anos para mulheres.
Durante a transição, a regra dos 20 anos de contribuição valerá para todos em 2029. E no caso da idade das mulheres, a regra vai começar a valer para todas em 2023.
Além disso, a proposta prevê o Regime de capitalização, em que o trabalhador financia a própria aposentadoria. Contudo, a proposta não detalhe como isso será feito. Outro ponto previsto na proposta é a mudança nas alíquotas do INSS – aquele porcentual de contribuição que vem descontado na sua folha de pagamento.
Basicamente, quem ganha mais vai pagar mais e quem ganha menos, vai pagar menos, saindo de 7,5% para quem recebe até um salário mínimo, tanto para o setor privado como para o público. Antes essa alíquota era de 8%. A cobrança das alíquotas será feita progressivamente, de acordo com as faixas salariais, e pode chegar a 22% para quem recebe mais de R$ 39 mil.
Durante o período de transição de 12 anos, a proposta criou três regras. A ideia inicial é que o trabalhador escolha qual regra quer seguir durante esse período:

REGRA 1: Tempo de contribuição e idade

Hoje, para pedir aposentadoria integral, a soma do tempo de contribuição mais a idade deve ser de 86 para mulheres e de 96 para homens.
Com a reforma, esse número aumentará em 1 ponto a cada ano da transição. A ideia é chegar no limite de 105 pontos para homens, em 2028, e 100 pontos para mulheres, em 2033.

REGRA 2: Tempo de contribuição e idade mínima

Hoje quem quiser se aposentar por idade, pode fazê-lo assim que completa 60 anos, no caso das mulheres, e 65 anos, no caso dos homens. Isso se levarmos em conta as aposentadorias urbanas. A aposentadoria rural segue outras regras. Além disso, é preciso ter, ao menos, 15 anos de contribuição.
Nesta regra, podem se aposentar as mulheres com idade mínima de 56 anos e homens com idade de 61 anos, durante o período de transição. Em 2031 acaba o período de transição para as mulheres, quando começará a valar a idade de 62 anos; e em 2027 para os homens, quando acaba o período de transição para os homens.
Além da idade mínima, esta regra estabelece um tempo de contribuição de 30 anos para as mulheres e 32 anos para os homens.

REGRA 3: Tempo de contribuição

Esta regra só vale para quem optar pela aposentadoria por tempo de contribuição. Para as mulheres, este tempo é de 30 anos e para homens, de 35 anos.
Assim como hoje, o valor do benefício será reduzido pelo fator previdenciário. Além disso, haverá uma espécie de pedágio: será adicionado 50% do tempo que falta para se aposentar durante o período de transição.
Ou seja, se faltam dois anos para pedir a aposentadoria, o trabalhador deverá contribuir por mais um ano. Se falta 1 ano, ele vai ter de contribuir por seis meses.

Vai ter mais proposta

Algumas regras mudam para professores e outras categorias, mas a base está na proposta apresentada. O que ficou de fora é a reforma da Previdência dos militares, um dos pontos polêmicos. Do total do rombo da Previdência, a dos militares representou quase R$ 44 bilhões no ano passado.
Segundo o Governo, a proposta de reforma para os militares será entregue em 30 dias.

Quer depender mesmo do INSS?

Com ou sem mudança, o melhor dos mundos mesmo é você não depender da aposentadoria pública. O jogo mesmo é buscar outros meios, lícitos, de alcançar a independência financeira sem precisar do governo.
A Nath, claro, fez um vídeo para quem não quer nem saber dessa  história toda de reforma! AH, que festa da Independência Financeira!
Fonte : Blog do Sucesso

Mais Informações : INSS

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aloha, Rotary!

Aloha, Rotary!
Conheça o verdadeiro espírito do aloha e do Rotary ao lado de familiares, amigos e outros rotarianos na cidade de Honolulu. Será o ambiente ideal para celebrarmos, colaborarmos e estreitarmos nossos laços de amizade, desfrutando do calor e da hospitalidade havaianos. A Convenção é uma das únicas oportunidades de reunirmos pessoas em ação do mundo inteiro para comemorar as conquistas do Rotary. Nossos oradores o motivarão ainda mais a se dedicar aos serviços humanitários e abordarão novas perspectivas relacionadas ao nosso trabalho global. Aproveite para rever velhos amigos, fazer novos contatos e explorar tudo o que o evento tem a oferecer. Você voltará para casa energizado e inspirado a continuar trabalhando pelo bem do próximo. Não perca a chance de compartilhar o seu aloha com toda a família rotária na nossa Convenção em Honolulu, de 6 a 10 de junho de 2020. Inscreva-se agora e economize Faça sua inscrição até 15 de dezembro pelo site riconvention.org para aproveitar o p…

Após ação da Lusa na Justiça, leilão do Canindé termina sem lances

Clube se baseia no pedido de tombamento que está em análise no Conselho de Preservação do Patrimônio

Gonçalo Junior e Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo 09 de maio de 2019 | 15h41

Após a Portuguesa entrar com uma petição na 14ª Vara Cível da Capital de São Paulo para suspender o leilão de parte do terreno do Canindé, marcado para esta quinta-feira, não surgiram interessados. Para acionar a Justiça, o clube se baseou no pedido de tombamento enviado para Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental (Compresp) no dia 12 de abril. No entendimento do clube, o leilão só pode ser concluído após a decisão definitiva sobre o tombamento do complexo Oswaldo Teixeira Duarte, formado pelo estádio do Canindé e o clube social.

Mercado de jogos de tabuleiro ganha espaço no Brasil

© Getty Images Empresas nacionais lançam títulos originais e também de outros países
Resumo:

O setor de jogos de tabuleiros modernos foi responsável por cerca de R$ 665 milhões do faturamento da indústria de brinquedos nacional;Em 2018, mais de 4.000 “boardgames” foram lançados no mundo todo;Conclave, Galápagos, Calamity Games, Papergames, Meeple BR e Bucaneiros são algumas das editoras brasileiras de jogos de tabuleiro;O Diversão Offline, evento dedicado ao hobby, recebeu 18 mil pessoas e movimentou R$ 2 milhões no mercado de jogos analógicos ao longo de seis edições.