Pular para o conteúdo principal

Reserva ilegal de estacionamento é cada vez mais comum na região


Reserva ilegal de estacionamento é cada vez mais comum na região

vaga1Apesar de irregular, a prática de reservar vagas de estacionamento em vias públicas é rotineira na cidade de São Paulo, inclusive na região. Comerciantes, construtoras e até moradores utilizam-se de cones, cavaletes, caixas de madeiras, entre outros objetos, para demarcar ilegalmente espaços nas ruas, e assim poder estacionar seu veículo ou de clientes sem problemas, transformando deste jeito, uma área pública em um local privado.
Há cerca de um mês a Folha vem percorrendo as vias da região e flagrando irregularidades diárias. Em alguns casos, ao perceber a presença da reportagem, o responsável pelo imóvel retirou o obstáculo da rua, entretanto, logo após a equipe do jornal ir embora do local, as pessoas voltaram a recolocar o material em frente ao seu comércio.
Um dos pontos onde a irregularidade já virou costume é a rua Ibitirama, na Vila Prudente. Ao longo da via pode-se perceber que comerciantes utilizam do artifício diariamente reservando vagas para clientes e fornecedores. Em um trecho da Ibitirama, um escritório e um prédio comercial chegam a ocupar, com cones, cerca de 50 metros da rua. Outro comércio, na altura do número 1.000 da via, utiliza da mesma artimanha para ninguém estacionar na frente da loja.
vagaNa Mooca a situação não é diferente. Na rua Madre de Deus, repleta de bares, restaurantes e outros estabelecimentos, a colocação de cones e cavaletes é constante para separar vagas aos caminhões dos fornecedores. Porém, alguns comércios restringem a parada para poder estacionar os seus próprios carros, como é o caso de uma empresa de venda de água, que utiliza galões vazios a fim de facilitar a chegada do veículo de entrega.
Também é bastante comum o uso de cavaletes por parte de construtoras para guardar espaço aos caminhões das obras. Uma das vias onde a situação ocorre é na José dos Reis, na Vila Prudente. Local onde muitos motoristas costumam deixar seus veículos para utilizar o metrô. “Já é difícil estacionar na José dos Reis depois da chegada da estação, mas, quando começaram as obras de prédios residenciais na via, a situação virou um caos. As construtoras fecharam com cavaletes as guias em frente aos terrenos, tirando muitas vagas de estacionamento”, comenta a estudante Denise Farias Lorenzo.
A reportagem questionou a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) sobre a prática irregular nas vias da região. Em resposta, o órgão informou que cabe a ele apenas a retirada dos obstáculos e o alerta aos donos dos estabelecimentos sobre a irregularidade, sendo que a aplicação de multas, neste caso, já que envolve pessoas físicas e jurídicas, fica a cargo da subprefeitura local. Para finalizar, a CET ressaltou que “toda reserva de vaga deve ser solicitada ao órgão. Desta forma, a situação é avaliada quanto à necessidade, possibilidade técnica, tipo de via, tráfego local, entre outros pontos”.
vaga2Folha também cobrou uma posição da Subprefeitura Mooca. O órgão informou que realizará fiscalização na próxima semana, para que as devidas medidas sejam tomadas. Se constatadas as irregularidades, os itens serão apreendidos e, em caso de flagrante, o responsável pela colocação de objetos como cavaletes ou cones na via pública estará sujeito à multa no valor de R$ 500,00.
Já a Subprefeitura de Vila Prudente/Sapopemba acrescentou que a assinalação ou reserva, por particulares, de locais para estacionamento ou entrada e saída de veículos, com cavaletes ou outros objetos, será punida com a apreensão desses materiais. Foi ressaltado que além da apreensão, o estabelecimento ou imóvel está sujeito à multa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aloha, Rotary!

Aloha, Rotary!
Conheça o verdadeiro espírito do aloha e do Rotary ao lado de familiares, amigos e outros rotarianos na cidade de Honolulu. Será o ambiente ideal para celebrarmos, colaborarmos e estreitarmos nossos laços de amizade, desfrutando do calor e da hospitalidade havaianos. A Convenção é uma das únicas oportunidades de reunirmos pessoas em ação do mundo inteiro para comemorar as conquistas do Rotary. Nossos oradores o motivarão ainda mais a se dedicar aos serviços humanitários e abordarão novas perspectivas relacionadas ao nosso trabalho global. Aproveite para rever velhos amigos, fazer novos contatos e explorar tudo o que o evento tem a oferecer. Você voltará para casa energizado e inspirado a continuar trabalhando pelo bem do próximo. Não perca a chance de compartilhar o seu aloha com toda a família rotária na nossa Convenção em Honolulu, de 6 a 10 de junho de 2020. Inscreva-se agora e economize Faça sua inscrição até 15 de dezembro pelo site riconvention.org para aproveitar o p…

Após ação da Lusa na Justiça, leilão do Canindé termina sem lances

Clube se baseia no pedido de tombamento que está em análise no Conselho de Preservação do Patrimônio

Gonçalo Junior e Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo 09 de maio de 2019 | 15h41

Após a Portuguesa entrar com uma petição na 14ª Vara Cível da Capital de São Paulo para suspender o leilão de parte do terreno do Canindé, marcado para esta quinta-feira, não surgiram interessados. Para acionar a Justiça, o clube se baseou no pedido de tombamento enviado para Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental (Compresp) no dia 12 de abril. No entendimento do clube, o leilão só pode ser concluído após a decisão definitiva sobre o tombamento do complexo Oswaldo Teixeira Duarte, formado pelo estádio do Canindé e o clube social.

Mercado de jogos de tabuleiro ganha espaço no Brasil

© Getty Images Empresas nacionais lançam títulos originais e também de outros países
Resumo:

O setor de jogos de tabuleiros modernos foi responsável por cerca de R$ 665 milhões do faturamento da indústria de brinquedos nacional;Em 2018, mais de 4.000 “boardgames” foram lançados no mundo todo;Conclave, Galápagos, Calamity Games, Papergames, Meeple BR e Bucaneiros são algumas das editoras brasileiras de jogos de tabuleiro;O Diversão Offline, evento dedicado ao hobby, recebeu 18 mil pessoas e movimentou R$ 2 milhões no mercado de jogos analógicos ao longo de seis edições.