Pular para o conteúdo principal

CASO BARRA FUNDA


Caso Barra Funda

Vídeo duvidoso: agentes do Metrô são suspensos

Para perito, imagens que mostram confusão entre seguranças e estudantes na Estação Barra Funda do Metrô, requerem melhor apuração. Sindicato da categoria quer recorrer judicialmente da decisão da empresa


Quem não se lembra da confusão entre estudantes e três agentes de seguranças na Estação Barra Funda do Metrô, na zona oeste da capital no último dia 15 de março? O episódio completou um mês hoje (15/4), e resultou na suspensão temporária dos seguranças envolvidos, segundo as informações prestadas pelas assessorias de imprensa do Metrô e do Sindicato dos Metroviários de São Paulo. O tumulto ocorreu quando os guardas pediram a três estudantes que não fumassem nas dependências da estação, o que motivou o bate-boca entre os envolvidos. Populares filmaram o episódio, cujo vídeo teve ampla repercussão na internet. Os estudantes disseram que foram agredidos pelos seguranças.
Atendendo ao pedido da reportagem, o perito Ricardo Molina – que atuou em casos famosos como PC Farias e Eloá – analisou as imagens exibidas e observou que, por estarem editadas, não se pode comprovar de imediato que houve agressão, e por isso precisam ser melhor apuradas. Por sua vez, o sindicato descartou a denúncia de agressão, alegando que os agredidos fumavam maconha no local, e os guardas agiram em preservação da ordem pública. Procurado pela reportagem, o Metrô se limitou em informar que “o processo instaurado internamente para a apuração dos fatos ocorridos e os empregados envolvidos receberam sanções administrativas”.
“O sindicato entende que os agentes agiram em preservação da integridade pública, já que se constou que os estudantes teriam fumado maconha, e até queriam embarcar naquelas condições”, declarou a entidade, por meio de sua assessoria de imprensa.
O sindicato informou que entrou em contato com os agentes envolvidos, e se predispôs a recorrer judicialmente contra a suspensão que sofreram, já que eles possuem um prazo de cinco anos para ingressarem com ação trabalhista. “O sindicato também tentou dialogar com a empresa, mas não deu certo, já que ela não tem autocrítica para discernir os fatos”, comentou.
E na opinião do perito Ricardo Molina, as imagens da confusão na Barra Funda precisam ser analisadas com cuidado, já que demonstram indícios de que foram editadas, o que interfere na apuração do que realmente aconteceu na estação do Metrô.
“A princípio, houve cortes nas imagens, o que dificulta saber o que realmente aconteceu lá. Tudo indica que houve um rigor excessivo, mas isso vai depender de interpretação jurídica, e é preciso apurar o que causou isso. O que levou os seguranças a imobilizarem um dos estudantes? Se um deles tentou invadir o recinto, os seguranças não estavam errados. Aparece um segurança erguendo o cassetete. Por que ele fez isso?”, observou o perito que, a princípio, descartou a caracterização do crime de agressão no vídeo.
“Se houve agressão ou não, o que poderia comprovar é uma marca vermelha que apareceu no pescoço de um dos estudantes. E somente o exame de corpo de delito pode comprovar isso”, finalizou.

CONTATOS: Márcia Dias, jornalista freelancer e proprietária da JORNALISTA DE PLANTÃO (www.jornalistadeplantao.com.br). Ligue para (11) 99516-3909


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aloha, Rotary!

Aloha, Rotary!
Conheça o verdadeiro espírito do aloha e do Rotary ao lado de familiares, amigos e outros rotarianos na cidade de Honolulu. Será o ambiente ideal para celebrarmos, colaborarmos e estreitarmos nossos laços de amizade, desfrutando do calor e da hospitalidade havaianos. A Convenção é uma das únicas oportunidades de reunirmos pessoas em ação do mundo inteiro para comemorar as conquistas do Rotary. Nossos oradores o motivarão ainda mais a se dedicar aos serviços humanitários e abordarão novas perspectivas relacionadas ao nosso trabalho global. Aproveite para rever velhos amigos, fazer novos contatos e explorar tudo o que o evento tem a oferecer. Você voltará para casa energizado e inspirado a continuar trabalhando pelo bem do próximo. Não perca a chance de compartilhar o seu aloha com toda a família rotária na nossa Convenção em Honolulu, de 6 a 10 de junho de 2020. Inscreva-se agora e economize Faça sua inscrição até 15 de dezembro pelo site riconvention.org para aproveitar o p…

Após ação da Lusa na Justiça, leilão do Canindé termina sem lances

Clube se baseia no pedido de tombamento que está em análise no Conselho de Preservação do Patrimônio

Gonçalo Junior e Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo 09 de maio de 2019 | 15h41

Após a Portuguesa entrar com uma petição na 14ª Vara Cível da Capital de São Paulo para suspender o leilão de parte do terreno do Canindé, marcado para esta quinta-feira, não surgiram interessados. Para acionar a Justiça, o clube se baseou no pedido de tombamento enviado para Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental (Compresp) no dia 12 de abril. No entendimento do clube, o leilão só pode ser concluído após a decisão definitiva sobre o tombamento do complexo Oswaldo Teixeira Duarte, formado pelo estádio do Canindé e o clube social.

Mercado de jogos de tabuleiro ganha espaço no Brasil

© Getty Images Empresas nacionais lançam títulos originais e também de outros países
Resumo:

O setor de jogos de tabuleiros modernos foi responsável por cerca de R$ 665 milhões do faturamento da indústria de brinquedos nacional;Em 2018, mais de 4.000 “boardgames” foram lançados no mundo todo;Conclave, Galápagos, Calamity Games, Papergames, Meeple BR e Bucaneiros são algumas das editoras brasileiras de jogos de tabuleiro;O Diversão Offline, evento dedicado ao hobby, recebeu 18 mil pessoas e movimentou R$ 2 milhões no mercado de jogos analógicos ao longo de seis edições.