Pular para o conteúdo principal

Como era São Paulo sem a Radial Leste

Como era São Paulo sem a Radial Leste

Obras de alargamento da Celso Garcia e Rangel Pestana foram sugeridas por Prestes Maia

28 de junho de 2013 | 11h 23
Rose Saconi
 
Av. Rangel Pestana na década de 1950. Movimento intenso com linhas de bondes, ônibus e carros. Acervo/Estadão
Em 1944, quando Prestes Maia, preocupado com o trânsito no centro da cidade que já registrava congestionamentos, sugeriu o alargamento das então ruas Rangel Pestana e Celso Garcia, muitos consideraram inútil se fazer uma obra de grande porte para a melhoria do sistema viário numa área da cidade que era pouco habitada. Nem mesmo os estudos contidos no Plano Diretor elaborados por aquele engenheiro, que previam a expansão urbana rumo à zona leste, serviram para amenizar as críticas feitas por alguns técnicos na época.

Estado, porém, noticiou com destaque e otimismo o "grande empreendimento urbanístico da cidade" em 1945, "a avenida Rangel Pestana é hoje a artéria de maior movimento em São Paulo. Por ela passam numerosas linhas de bondes e ônibus que servem, principalmente, os distritos do Brás, Penha, Belém e Vila Maria. (...) ficamos por aqui, assinalando o breve início, pela Prefeitura, de mais uma obra de vulto para a cidade".

O Estado de S. Paulo - 26/8/1945


Inauguração foi em 1972. Por causa dessa resistência, a obra só foi iniciada em 1968, na gestão do brigadeiro Faria Lima. Sem a Radial, o paulistano teria que continuar passando pelas ruas congestionadas do Parque Pedro II para se chegar ao Centro. Às vésperas da abertura da avenida, o então secretário de Obras da cidade, Otávio de Almeida, declarou ao Estado, "não é a solução final, mas vai colaborar para resolver alguns dos problemas de ligação Leste- Oeste pela zona sul da cidade".

O Estado de S. Paulo - 30/5/1972




Depois de muito atraso e interrupções, a Radial Leste foi aberta no dia 7 de junho de 1972.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Aloha, Rotary!

Aloha, Rotary!
Conheça o verdadeiro espírito do aloha e do Rotary ao lado de familiares, amigos e outros rotarianos na cidade de Honolulu. Será o ambiente ideal para celebrarmos, colaborarmos e estreitarmos nossos laços de amizade, desfrutando do calor e da hospitalidade havaianos. A Convenção é uma das únicas oportunidades de reunirmos pessoas em ação do mundo inteiro para comemorar as conquistas do Rotary. Nossos oradores o motivarão ainda mais a se dedicar aos serviços humanitários e abordarão novas perspectivas relacionadas ao nosso trabalho global. Aproveite para rever velhos amigos, fazer novos contatos e explorar tudo o que o evento tem a oferecer. Você voltará para casa energizado e inspirado a continuar trabalhando pelo bem do próximo. Não perca a chance de compartilhar o seu aloha com toda a família rotária na nossa Convenção em Honolulu, de 6 a 10 de junho de 2020. Inscreva-se agora e economize Faça sua inscrição até 15 de dezembro pelo site riconvention.org para aproveitar o p…

Após ação da Lusa na Justiça, leilão do Canindé termina sem lances

Clube se baseia no pedido de tombamento que está em análise no Conselho de Preservação do Patrimônio

Gonçalo Junior e Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo 09 de maio de 2019 | 15h41

Após a Portuguesa entrar com uma petição na 14ª Vara Cível da Capital de São Paulo para suspender o leilão de parte do terreno do Canindé, marcado para esta quinta-feira, não surgiram interessados. Para acionar a Justiça, o clube se baseou no pedido de tombamento enviado para Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental (Compresp) no dia 12 de abril. No entendimento do clube, o leilão só pode ser concluído após a decisão definitiva sobre o tombamento do complexo Oswaldo Teixeira Duarte, formado pelo estádio do Canindé e o clube social.

Mercado de jogos de tabuleiro ganha espaço no Brasil

© Getty Images Empresas nacionais lançam títulos originais e também de outros países
Resumo:

O setor de jogos de tabuleiros modernos foi responsável por cerca de R$ 665 milhões do faturamento da indústria de brinquedos nacional;Em 2018, mais de 4.000 “boardgames” foram lançados no mundo todo;Conclave, Galápagos, Calamity Games, Papergames, Meeple BR e Bucaneiros são algumas das editoras brasileiras de jogos de tabuleiro;O Diversão Offline, evento dedicado ao hobby, recebeu 18 mil pessoas e movimentou R$ 2 milhões no mercado de jogos analógicos ao longo de seis edições.