Pular para o conteúdo principal

ENC: O povo nas ruas



Enviado pelo meu Windows Phone

De: Iran Magno - Greenpeace
Enviada em: 18/06/2013 18:11
Para: falecom@bairrodopari.com
Assunto: O povo nas ruas

Seja a mudança que você quer ver no mundo

Greenpeace

Olá Wagner,

O dia de ontem marcou um momento histórico para o Brasil. Centenas de milhares de pessoas saíram às ruas em diversas capitais clamando por uma mudança significativa de comportamento.

Ideais como paz e liberdade de manifestação se uniram a pedidos por serviços acessíveis e de qualidade na saúde, educação e no transporte público. Gritos há muito tempo engasgados fizeram das reivindicações um só movimento.

O Brasil acordou – e não pretende dormir mais. O estado de sonolência em que nos encontrávamos já não nos representa mais. Por ser uma organização que tem o protesto pacífico em seu DNA, o Greenpeace apoia, aplaude e se orgulha de ter participado de um dos momentos mais bonitos da História recente do país.

Continuaremos colocando nossas campanhas na rua, junto com os cidadãos, para cobrar dos governantes cidades mais justas para as pessoas, com mobilidade urbana para todos. O aprendizado que tiramos dessa onda de protestos em âmbito nacional é que a política também se faz com as nossas próprias mãos.

Se quiser, você também pode nos ajudar a continuar levando às ruas as campanhas por um Brasil mais limpo e democrático. Junte-se a nós. Seja a mudança que você quer ver no mundo.

Abraços,
Iran Magno
Coordenador da Campanha Clima e Energia
Greenpeace

Junte-se a nós
Facebook Twitter Google+
Greenpeace

O Greenpeace respeita sua privacidade e seu conforto na internet.
Caso não queira mais receber nossos emails, por favor, descadastre-se aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Evolução - Part 2

Será que ainda estamos evoluindo ?

Paperback Stories - Somos a Evolução ?

Somos a Evolução ? Comente no Instagram

Samuel - Menino de Rua

Os caminhos da vida nos levam a destinos que muitas vezes não esperamos. As esquinas são cruéis. As noites e dias tornam-se cada vez mais difíceis de suportar. A explicação é única. Solidão. As ruas que dormimos nelas nos passam dores que ficam alojadas no corpo para toda a vida. Sou um menino de rua. Tornei-me um deles. Num dia desses, num passeio pelo centro de uma capital me perdi dos meus pais. Fique na multidão. Gritei. Chorei. Não adiantou. Fiquei só no mundo. Mesmo assim, não perdi, em momento algum, a vontade de vencer. Samuel se perde dos pais e vira menino de rua... É bem verdade, que mesmo só pelas ruas Direita, São Bento, XV de Novembro, e tantas outras, prédios antigos e modernos, não me fizeram perder meus sonhos. Captei a mensagem de que para vencer, basta lutar. Alguém me disse que aquilo que plantamos, colhemos. Dizem que é uma lei da natureza. Nua e crua. Então resolvi, que seria muito legal para mim, trabalhar. Juntar forças para conseguir alguma coisa melhor