Pular para o conteúdo principal

Fwd: 105º Fórum do Comitê da Cultura de Pa z - Os impactos do modelo de desenvolvimento na dignidade humana


Wagner Wilson
http://www.gazetadopari.com.br

"Esta mensagem, incluindo seus anexos, é confidencial e seu conteúdo é restrito ao destinatário da mensagem. Caso você a tenha recebido por engano, queira, por favor, retorná-la ao destinatário e apagá-la de seus arquivos. É expressamente proibido o uso não autorizado, replicação ou disseminação da mesma. As opiniões contidas nesta mensagem e seus anexos não necessariamente refletem a opinião do órgão emissor".


 
 
 
 
 
 
Prezadas(os)
Amigas e Amigos,
 
Convidamos você para participar do 105º Fórum do Comitê da Cultura de Paz - Os impactos do modelo de desenvolvimento na dignidade humana -, promovido pelo Palas Athena em parceria com a UNESCOO fórum aponta algumas práticas político-econômicas que consolidam a violência estrutural – promotora da violência direta que presenciamos diariamente. A palestrante é uma especialista no assunto, tendo trabalhado em campo com inúmeras comunidades. O 105º Fórum promete ser uma experiência muito mobilizadora!
Dia 11 de junho, às 19 horas, no grande auditório do MASP. A entrada é franca.
 
Veja os detalhes no programa abaixo:
 
  
105º Fórum do Comitê da Cultura de Paz
parceria UNESCO – Palas Athena
 
 
Os impactos do modelo de desenvolvimento na dignidade humana
– interculturalidade e construção de novas sociabilidades
como antídoto à violência estrutural –


Com Profª Dra. Luciane Lucas dos Santos
A violência pode manifestar-se de muitas e diferentes formas – nem todas explícitas ou evidentes à primeira vista. O modelo de desenvolvimento que um país adota, por exemplo, pode constituir-se, paradoxalmente, num vetor de violência – tanto por conta das representações hegemônicas que aciona e disssemina no tecido social, quanto pela naturalização de hierarquias que estabelece. As ideias de progresso e desenvolvimento não raro transformam-se em desrespeito à diversidade e às diferentes temporalidades que marcam as formas múltiplas de organização da vida. O pensamento moderno ocidental – que, segundo Boaventura de Sousa Santos, opera por linhas abissais – fundamenta e legitima esta violência estrutural, encarregando-se de não só definir as experiências e saberes válidos como também classificar todo o resto como irrelevante.

Tendo em vista este panorama, o 105º Fórum do Comitê da Cultura de Paz tem por finalidade discutir a violência intrínseca ao modelo de desenvolvimento neoextrativista que a globalização hegemônica tem disseminado nos países latino-americanos. Neste sentido – e tendo por base de reflexão os conceitos de fascismo social, sociologia das ausências e linha abissal de Boaventura de Sousa Santos –, procuramos refletir não só sobre as hierarquias hoje estabelecidas entre diferentes saberes, temporalidades, escalas e perspectivas de produção, como também sobre o impacto destas hierarquias na dignidade humana. O consumo desenfreado aparece, nesta discussão, como marcador social que naturaliza a violência, ao estabelecer e mesmo fomentar uma hierarquia das diferenças (seja de classe, etnia/raça, gênero, orientação sexual etc).

Tendo a dignidade humana como elemento central neste debate, procuramos refletir também sobre o papel das novas sociabilidades na luta contra a violência promovida pelo modelo de desenvolvimento. Estas novas sociabilidades – que não desviam necessariamente do conflito, mas se alicerçam, ainda assim, em novas formas de convivência e solidariedade –, ressignificam o debate em torno dos conceitos de paz, dignidade e luta. Fica a pergunta: tendo em vista que a linha abissal promoveu fissuras históricas, mantendo feridas abertas no tecido social, que sentido de paz é possível? Em que medida a tradução intercultural – no diálogo com a diferença e no reconhecimento da incompletude intrínseca a cada uma das partes – permite ultrapassar a linha abissal? E como as diferenças se podem articular contra a injustiça social e cognitiva, na perspectiva de garantir os direitos econômicos, sociais e culturais que o modelo de desenvolvimento permanentemente nega?

ENTRADA FRANCA
11 de junho de 2013 • terça-feira • 19 horas
Auditório do MASP ▪ Museu de Arte de São Paulo

Av. Paulista, 1578 - São Paulo/SP - Estação Trianon-Masp do metrô

Não é necessário fazer inscrição antecipada
 
Luciane Lucas dos Santos concluiu o doutoramento em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2004, foi professora adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Hoje é pesquisadora pós-doc no Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra (Portugal), sob a supervisão do Prof. Dr. Boaventura de Sousa Santos. Integra o Núcleo Democracia, Cidadania e Direito (DECIDe), a equipe de investigação do Projeto Alice – projeto internacional financiado pela European Research Council e o Grupo de Economia Solidária (ECOSOL), que faz parte do Núcleo de Estudos em Políticas Sociais, Trabalho e Desigualdades do CES/UC. Atualmente, sua pesquisa está relacionada aos seguintes temas: teoria crítica do consumo, economia solidária, redes solidárias de trocas e economias originárias campesinas.
 
Realização: Comitê da Cultura de Paz
   
 
 
Pastoral Fé e Política
Arquidiocese de São Paulo
A partir de Jesus Cristo em busca do bem comum
 
 
* Caso não queira mais receber os nossos informes, por favor, responda esse email com o assunto "Remover meu email da Lista de contatos".
 
 
 
 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Evolução - Part 2

Será que ainda estamos evoluindo ?

Paperback Stories - Somos a Evolução ?

Somos a Evolução ? Comente no Instagram

Samuel - Menino de Rua

Os caminhos da vida nos levam a destinos que muitas vezes não esperamos. As esquinas são cruéis. As noites e dias tornam-se cada vez mais difíceis de suportar. A explicação é única. Solidão. As ruas que dormimos nelas nos passam dores que ficam alojadas no corpo para toda a vida. Sou um menino de rua. Tornei-me um deles. Num dia desses, num passeio pelo centro de uma capital me perdi dos meus pais. Fique na multidão. Gritei. Chorei. Não adiantou. Fiquei só no mundo. Mesmo assim, não perdi, em momento algum, a vontade de vencer. Samuel se perde dos pais e vira menino de rua... É bem verdade, que mesmo só pelas ruas Direita, São Bento, XV de Novembro, e tantas outras, prédios antigos e modernos, não me fizeram perder meus sonhos. Captei a mensagem de que para vencer, basta lutar. Alguém me disse que aquilo que plantamos, colhemos. Dizem que é uma lei da natureza. Nua e crua. Então resolvi, que seria muito legal para mim, trabalhar. Juntar forças para conseguir alguma coisa melhor